Sindicombustiveis-al

25/11/2021

A reunião do CNPE (Conselho Nacional de Política Energética) que começou na 2ª feira (22.nov.2021) foi temporariamente suspensa por divergências dentro do governo em relação ao percentual obrigatório de biodiesel a ser misturado ao diesel A (puro) a partir de janeiro. O Poder360 apurou que, de um lado, o MME (Ministério de Minas e Energia) é a favor da implementação da proporção prevista no cronograma da Resolução 16/2018, que seria de 13% a partir de janeiro e de 14% a partir de março. De outro, integrantes do Ministério da Economia defendem a manutenção da participação do biodiesel em 10%, em vigor desde o início de novembro.

A resistência do Ministério da Economia se deve à pressão de importadoras de diesel, que visam ao aumento de sua participação no mercado brasileiro. A argumentação dos defensores da redução é de que o biodiesel tem encarecido o preço do diesel e, portanto, quanto maior a proporção, maior a tendência de aumento nos preços.

O setor de biocombustíveis, no entanto, diz que a alegação não procede. Segundo a Ubrabio (União Brasileira do Biodiesel e Bioquerosene), a participação do biodiesel na composição do preço do diesel evoluiu 0,01 ponto percentual de janeiro a outubro. Em janeiro, era de 13,6%. Em outubro, de 13,7%. No mesmo período, o diesel A saiu de 47,8%, em janeiro, para 56,2%.

Segundo o Ministério de Minas e Energia, a reunião do CNPE será retomada às 14h30 de 5ª feira (25.nov).
Autor/Veículo: Poder 360

Categories: noticias